segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Segurança Pública Propostas de candidatos militares vão de soldo maior a benefícios a familiares

CIDADES. BELO HORIZONTE, MG.  Belo Horizonte (MG), uma das cidades-sede da Copa, foi palco de violentos protestos no primeiro dia da Copa do Mundo no Brasil. Manifestantes e policiais entraram em confronto.  The city of Belo Horizonte, one of the host cities of the World Cup, was the scene of violent protests in the evening of the first World Cup's day.

Outra bandeira de campanha é defender mudança na lei para atuar em confrontos armados, sem que homicídios praticados por policiais gerem processos judiciais

Estadão Conteúdo 
13/08/18 - 10h13
Apesar da resistência na cúpula das Forças Armadas, o emprego dos militares em ações de segurança pública aproximou a tropa dos policiais militares, subordinados aos governadores. Hoje, não só os policiais candidatos, mas também os oficiais e praças do Exército assumiram como bandeira de campanha a defesa de aumentos no soldo, benefícios para famílias de PMs vitimados e mudanças na lei para atuar em confrontos armados, sem que homicídios praticados por policiais gerem processos judiciais. 

Militares reassumiram protagonismo no primeiro escalão do governo Temer e passaram a ser mais empregados em ações de segurança pública. O ápice foi a decretação da intervenção federal na segurança do Rio - a cargo de outro militar, o general Walter Souza Braga Netto, comandante militar do Leste. Temer recriou o GSI e, pela primeira vez desde a redemocratização, nomeou um militar para o Ministério da Defesa, o general da reserva Joaquim Silva e Luna.

Após a redemocratização, dois militares que haviam sido governadores biônicos durante a ditadura chegaram ao poder pelo voto direto: o vice-almirante da Marinha Annibal Barcellos, pelo PFL (atual DEM) em 1990 no Amapá, e o brigadeiro da Aeronáutica Ottomar Pinto, do PTB, em Roraima, que ainda governou o Estado a partir de 2004 e foi reeleito em 2006, pelo PSDB, antes de morrer no ano seguinte.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Tempo

Vamos!