terça-feira, 24 de julho de 2018

Josué Gomes é cobiçado por petistas e tucanos

Alckmin tenta convencer empresário mineiro a ser seu vice, mas não tem a resposta que esperava. Hoje é a vez de Pimentel convidá-lo a compor a chapa ao governo do estado

No primeiro round da batalha entre tucanos e petistas pelo passe do empresário mineiro Josué Alencar (PR), filho do ex-vice-presidente da República José Alencar Gomes da Silva, o resultado não foi bom para o PSDB. O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato à Presidência da República, não ouviu o que gostaria no primeiro encontro que manteve ontem com Josué, indicado pelo centrão – grupo formado pelo DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade no jogo da sucessão presidencial – para ser vice na chapa da disputa ao Planalto.


Ao contrário do que esperava o tucano, Josué foi reticente, disse que possivelmente acrescentaria pouco à campanha já que, em Minas, Alckmin tem o apoio do senador e pré-candidato ao governo Antonio Anastasia (PSDB). Por fim, o empresário, sem fechar a porta, disse que iria refletir e consultar a família, deixando, contudo, Alckmin à vontade para convidar outra pessoa para compor a chapa.

Hoje, é a vez do governador Fernando Pimentel (PT), pré-candidato à reeleição, se reunir com Josué para convidá-lo para compor a sua chapa ao governo de Minas. Pimentel também irá lhe apresentar a possibilidade de concorrer ao Senado Federal.

Num contexto de rejeição à política, Josué surge como o parceiro ideal. Além de injetar “sangue novo” nas chapas tradicionais, ele tem potencial eleitoral demonstrado quando, nas eleições de 2014, concorreu pela primeira vez ao Senado, conquistando a expressiva votação de pouco mais de 3 milhões e 600 mil votos.

Até abril filiado ao MDB, à véspera do prazo final para que candidatos mudassem de legendas, Josué migrou para o PR, ao mesmo tempo em que a ex-presidente Dilma Rousseff transferiu o seu domicílio eleitoral do Rio Grande do Sul para Minas Gerais. Os dois movimentos foram articulados pelo ex-presidente Lula, pré-candidato do PT ao Planalto, que, embora preso, continua liderando as pesquisas de intenção de voto e apresenta potencial para, como eventual cabo eleitoral, empurrar um candidato ao segundo turno da disputa.

Lula imaginou que com Josué fora do MDB – legenda comprometida com a pré-candidatura de Henrique Meirelles ao Planalto – abriria mais possibilidades de articulação ao PT. Quando Josué se filiou ao PR, a direção nacional da legenda sinalizou que dificilmente caminharia com o PT no plano nacional. Mas em Minas Gerais a possibilidade ficou em aberto. Embora integre o centrão, que aderiu a Alckmin, nos estados o PR liberou as bancadas e diretórios para buscarem o caminho que abra maior chance de eleição de bancadas federais fortes.

Como o seu pai, José Alencar, Josué tem grande proximidade com Lula: nutre afeição e mantém lealdade ao ex-presidente da República. Sempre cortês, como o seu pai, Josué até agora mantém diálogo com todos, sem recusas abruptas. Ele estava em viagem ao exterior quando recebeu na semana passada a informação de que havia sido indicado pelas siglas do centrão para ser vice na chapa de Alckmin. Em nota à imprensa, Josué não disse sim, mas tampouco disse não. “De minha parte, creio firmemente que uma coligação deva estar baseada em programas e ideias que projetem os rumos a serem seguidos pelo Brasil. Recebi com responsabilidade essa possível indicação. Agradeço a confiança que as lideranças depositam em meu nome. No meu retorno, procurarei inteirar-me dos encaminhamentos feitos pelos partidos, para que possa tomar uma decisão”, informou a nota. Hoje, Josué se sentará com Fernando Pimentel. Entre aliados do petista em Minas, há quem aposte que ele aceitará concorrer ao Senado.


EM

Concurso da PM do Paraná tem 'masculinidade' como critério em avaliação psicológica

Homens e mulheres podem concorrer a 16 vagas para cadete. Edital diz que candidato 'não pode emocionar-se facilmente'; especialista...