sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Deputados evangélicos são acusados de preconceito após discurso e bate-boca

Resultado de imagem para bate boca
Deputados estaduais evangélicos têm se pautado pela religião para promover ataques públicos contra movimentos artísticos e LGBT. Nesta semana, os parlamentares João Leite (PSDB) e Léo Portela (PRB) deixaram de lado o decoro parlamentar e protagonizaram discursos polêmicos contra manifestações e opiniões divergentes das suas.

Em sua página no Facebook, o deputado Léo Portela teve um debate acalorado com João Paulo Oliveira, homossexual e ministro de uma igreja que recebe gays em seus cultos. “Ui, ui, ui, ficou nervosa? Não tenha medo de mim, tenha do inferno que te aguarda”, reagiu o parlamentar a um comentário de Oliveira, que cobrou do deputado ações contra a corrupção. Em outro trecho, Léo Portela ainda diz: “Converta-se, herege, você e seu macho ou fêmea, largue a vida pecaminosa. Ainda há tempo”, avisa.

Tais postagens já foram apagadas da página do deputado, segundo ele, para “preservar a moral do pastor gay”, que passou a ser bastante ofendido pelos seguidores de Léo Portela. No entanto, o deputado negou que tenha feito comentários homofóbicos contra o homem. “Quero deixar claro que não falei como deputado, mas como pastor. Essa pessoa ofendeu a minha fé, me chamou de ‘hipócrita’ e ‘fariseu’”, defendeu-se. Portela disse ainda que respeita a orientação sexual de cada um, mas que isso não é salvo-conduto para a prática delituosa. “Ele pode ser o que quiser, mas não pode dizer que é evangélico”, afirmou.

Quando se referiu a Oliveira no feminino, Léo Portela disse que foi um erro de digitação e a expressão “ui, ui, ui” não foi usada de modo pejorativo. “Não foi para ofender, ninguém viu meu gestual, minha entonação”, explicou o parlamentar. Oliveira disse ao Aparte que está abalado e que entrará com um processo contra o deputado. Portela é autor de um projeto de lei que quer impor classificação etária em todos os eventos culturais de Minas para proibir a entrada de crianças, mesmo que essa seja a vontade dos pais.

Na última terça-feira, foi a vez de João Leite chamar, no plenário da Assembleia Legislativa, os manifestantes da Frente Nacional contra a Censura de “pedófilos”. O movimento foi criado como reação ao conservadorismo de grupos que tentam censurar exposições artísticas no Palácio das Artes. “Os pedófilos do Brasil, eles não conseguem ficar quietos. Vieram pedófilos de todo o Brasil e diziam eles que se reuniriam na frente do Palácio das Artes para reclamar (sic)”, afirmou.
Integrantes da frente informaram que acionarão o deputado João Leite na Justiça. (Angélica Diniz)
A Parte/ O Tempo

407 novos Sargentos na PMMG! Que Deus proteja vocês! Parabéns!

Na manhã desta quinta-feira (7), foi publicado o ato de promoção dos 407 novos Sargentos da Polícia Militar de Minas Gerais. A solenidad...