terça-feira, 31 de outubro de 2017

Estado apura se atentado contra agentes prisionais partiu do PCC

atentado agentes

Agentes penitenciários e criança são baleados próximo à Nelson Hungria
O secretário de Estado de Administração Prisional, Francisco Kupidlowski, afirmou que solicitou o empenho da Polícia Militar e da Polícia Civil para a captura dos suspeitos de atirar contra dois agentes prisionais, na manhã desta terça-feira (31), próximo a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana.
Segundo ele, uma série de providências de segurança foram tomadas para garantir a segurança na penitenciária, além da suspensão das visitas até a próxima segunda-feira (5). “Essa suspensão tem como objetivo a segurança dentro do sistema prisional, porque, quando acontece um atentado desta natureza, é comum que dentro do complexo prisional haja uma situação conturbada tanto da parte dos agentes, que ficam indignados, quanto da parte dos presos também”, afirmou, em pronunciamento realizado na tarde desta terça-feira. Ele não deu entrevistas. As demais medidas aplicadas não foram reveladas pelo secretário por questões de segurança.
De acordo com o secretário, a motivação do atentado contra os agentes prisionais está sendo apurada. Várias hipóteses são levantadas, desde um problema pessoal dos suspeitos com um dos agentes ou uma ordem de atentado por parte do Primeiro Comando da Capital (PCC).



“Não vamos tolerar ações dessa natureza do Estado, onde temos um sistema prisional Pacífico. Nós temos faccionados, mas não temos brigas de facções”, afirmou. Segundo ele, os faccionados do PCC no Estado são identificados e estão isolados. Ainda conforme o secretário, a situação na Penitenciária Nelson Hungria está normalizada.

NOTÍCIA DO PAGAMENTO, OU FALTA DELE

Prezados Policiais Militares, Após permanente contato com a Secretaria da Fazenda na data de hoje, fomos comunicados neste momento que o ...