quinta-feira, 20 de julho de 2017

'Não é normal polícia em porta de hospital', diz Kalil sobre Guarda Municipal nas UPAs de BH


Prefeito demonstrou insatisfação com a necessidade de colocar guardas para patrulhar unidades de saúde, destacando que os agentes deveriam estar nas ruas para prender bandidosO prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PHS) reagiu nesta quinta-feira ao anúncio da Secretaria Municipal de Saúde sobre a colocação de guardas municipais para patrulhar, de maneira fixa, as nove Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da capital mineira durante a madrugada, por conta de denúncias de falta de segurança.

“Guarda Municipal é pra prender bandido, não é para proteger hospital. UPA é um nome bonito, mas é um hospital. Então, já estamos colocando (os guardas) a noite, vamos gastar dinheiro com isso, mas isso é uma aberração. Porque não é normal policia em porta de hospital, só acontece no Brasil”, disse o prefeito, enquanto visitava obras de urbanização e lazer no Aglomerado Morro das Pedras, Oeste de BH. 

A mudança de estratégia partiu da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) depois de denúncias de séries de atos de violência a servidores nas unidades e centros da capital mineira neste ano. Na terça-feira, funcionários fizeram um protesto na Unidade de Pronto Atendimento (Upa) Nordeste, no Bairro São Paulo. Na semana passada, de acordo com o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais, houve registros de agressões físicas e verbais aos médicos em todos os dias na Upa Nordeste. Um outro levantamento, feito em parceria com o Sindicato dos Servidores Públicos de Belo Horizonte (Sindibel), aponta que, em 2017, foram registradas mais de 50 ocorrências de violência aos centros de saúde da capital. 

O patrulhamento da Guarda Municipal era feito em ronda, com viaturas trafegando entorno das unidades. Com a mudança, as nove UPAs de Belo Horizonte serão bases fixas para os veículos da corporação. Cada unidade terá uma viatura disponível no período de 19h às 7h. No restante do dia, o patrulhamento continuará sendo feito em ronda, como já acontece atualmente. 

As mudanças, no entanto, não se estendem aos centros de saúde da capital que não contam com a presença de guardas fixos diariamente.

Governo de MG diz que 88% dos servidores receberam duas parcelas do salário

Em nota, a Secretaria de Estado de Fazenda informou que o estado trabalha para pagar os últimos 12% 'o quanto antes'