sexta-feira, 21 de julho de 2017

Em padaria, sargento mata homem que o ameaçou 29 vezes

Resultado de imagem para sangue no olho

O sargento da Polícia Militar disparou contra o homem em uma padaria de Contagem e alega legitima defesa
Um homem com 38 passagens pela polícia foi morto dentro de uma padaria no bairro Santa Cruz Industrial, em Contagem, na manhã desta sexta. Segundo policiais militares, o autor dos disparos foi o sargento do batalhão de choque, Genésio Gonçalves Santos, de 46 anos.
O homem, Cesar Roberto Santana, de 35 anos, foi atingido no abdome e morreu no hospital.  Em entrevista coletiva, o assessor de comunicação da polícia, Major Flávio Santiago, disse que das 38 passagens que Cesar tinha na polícia, 29 era de ameaças contra o policial militar que era vizinho dele.
"As ameaças eram constantes. O homem já chegou a invadir a casa do policial e tentou agredir a mulher e o filho do sargento. Ele já jogou pedras no carro e na viatura onde o policial estava. As ameaças começaram em 2009", disse.
Ainda segundo o major, o homem era usuário de drogas e alegava que o sargento o perseguia. Testemunhas disseram à polícia que o homem chegou a colocar fogo dentro da própria casa e que agredia a mãe.
No entanto, o irmão de Cesar, Sergio Ricardo Alves Santana, 37, nega todas as acusações contra o irmão. "Ele usava cocaína, era uma pessoa vítima das drogas. O policial vivia o perseguindo e agredindo ele. Meu irmão vivia machucado. Ele ficava revoltado com as agressões e chutava o portão do policial. Nada mais que isso", explica.
O homem tinha passagens por furto, roubo e agressões físicas. O sargento faz parte da polícia militar ha 23 anos e, segundo a polícia, continua trabalhando normalmente. "Foi legítima defesa", disse Major. Como ele estava à paisana o crime é configurado como crime comum. O caso foi encaminhado para a Delegacia de homícidio de Contagem.

Governo de MG diz que 88% dos servidores receberam duas parcelas do salário

Em nota, a Secretaria de Estado de Fazenda informou que o estado trabalha para pagar os últimos 12% 'o quanto antes'