quinta-feira, 29 de junho de 2017

Veja quais serviços vão parar na greve geral em BH nesta sexta

metro, fechado, bh, contagem

Os motoristas e cobradores de ônibus não participarão desta greve, segundo o sindicato que representa os trabalhadores
Diante da permanência de Michel Temer na presidência apesar dos escândalos e da iminente aprovação das reformas propostas por seu governo, trabalhadores de diversas categorias farão uma nova greve geral nesta sexta-feira (30). Entre as categorias que pretendem aderir ao movimento estão os trabalhadores do metrô, servidores das escolas estaduais e municipais, unidades de saúde estaduais e municipais, entre outras categorias. Os motoristas e cobradores de ônibus foram consultados e resolveram não aderir à greve, segundo o sindicato que representa os trabalhadores.
A Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT/MG) fará uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira (29), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), quando será apresentado um balanço de todas as categorias que participarão da paralisação.
Porém, o Sindicato dos Metroviários de BH (Sindimetro-MG) já anunciou que a categoria decidiu em assembleia realizada na terça-feira (27) pela adesão ao chamado das centrais sindicais. "A decisão reflete a grave ameaça que representa a votação da reforma trabalhista, aprovada nesta quarta-feira (28) pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e que deverá seguir em regime de urgência para o plenário do Senado", justifica.
Além disso, as escolas estaduais e municipais também deverão ser afetadas nesta sexta. Segundo o Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), a expectativa é que a maior parte das escolas estaduais não deverão ter aula. O Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal de BH (Sind-Rede) também irão aderir, sendo que as escolas municipais e as Unidades Municipais de Educação Infantil (Umeis) não deverão funcionar.
O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de BH (Sindibel) também já confirmou a adesão à paralisação. Com isso, os centros de saúde não deverão funcionar e as unidades de pronto-atendimento cumprirão a escala mínima. Os agentes de combate à endemias e agentes comunitários de saúde, a parte não terceirizada que atua na limpeza urbana, a fiscalização municipal, servidores da Fundação Municipal de Cultura (FMC) e do administrativo da Prefeitura de Belo Horizonte também não deverão trabalhar nesta sexta.
Por fim, o Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde) também já confirmou que a categoria está sendo convocada para a greve geral, mas que ainda não há como prever qual será a adesão. 

Câmara dos Deputados promove degustação de queijos mineiros

Evento foi articulado pelo presidente interino Fábio Ramalho (PMDB) e terá a participação do governador Fernando Pimentel (PT)