domingo, 8 de janeiro de 2017

Violência avança no interior de Minas Gerais

Resultado de imagem para Violência avança no interior de Minas Gerais

Das 40 cidades mais populosas fora do perímetro da região metropolitana, o registro de ocorrências cresceu em 29 delas
Divinópolis e Nova Serrana – O professor João Paulo Oliveira, de 23 anos, foi surpreendido por dois homens armados quando conversava com amigos, no Centro de Divinópolis, Oeste de Minas, há poucas semanas: “Levaram os aparelhos de telefone celular de todos nós. Ainda devo seis prestações”. Na semana anterior ao assalto, ele já havia chorado o assassinato de um amigo na cidade vizinha de Itapecerica. “Foi morto numa festa na área rural. A violência tomou conta do interior”, diz.
Publicidade

A conclusão é a mesma de muitas famílias, que, acostumadas com a vida pacata longe da capital, agora se tornaram reféns da bandidagem. Há quem até mudou o estilo de vida com receio de engrossar a estatística da violência. Das 40 cidades mais populosas fora do perímetro da região metropolitana, a violência aumentou em 29 delas no confronto entre o acumulado janeiro a novembro de 2016 e igual intervalo de 2015 (veja arte).


É o que mostra um levantamento da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) sobre o total de ocorrências dos nove tipos de crimes violentos – homicídio (consumado e tentado), roubo, sequestro, extorsão mediante sequestro, estupro (consumado e tentado) e estupro contra vulnerável (consumado e tentado). Em todo o estado, incluindo a Grande BH, a soma das nove espécies de crimes violentos avançou 13,6% no período analisado, de 116.865 ocorrências para 132.804.

Em muitos municípios do interior, contudo, o percentual ficou bem acima do apurado na média estadual. É o caso de Divinópolis, onde a Polícia Militar tem dificuldade em combater a bandidagem. O aumento da violência na cidade foi de 36,1% – o total de registros subiu de 1.951 para 2.657. O roubo consumado respondeu pela maior parte dos registros no acumulado dos 11 primeiros meses do ano passado. Foram 2.531 ocorrências – ou 95,2% do total.

O salto da violência também foi alarmante no município vizinho de Nova Serrana, onde, proporcionalmente, a população foi a que mais cresceu (95,7%) no estado, segundo os censos de 2000 (37.447 habitantes) e 2010 (73.273 moradores). O conjunto dos nove crimes violentos avançou 55,3%, com as ocorrências passando de 1.033 para 1.605.

O taxista Marcelo Silva, de 35, faz parte da estatística. Ele foi assaltado três vezes. Numa delas, pensou que perderia a vida: “Fui amarrado numa árvore. Os bandidos queriam o carro para praticar roubos na cidade”. De acordo com dados da Sesp, foram 1.532 roubos consumados de janeiro a novembro de 2016.

Arte/Paulinho Miranda
CRESCIMENTO DESORDENADO Vários fatores explicam o aumento da criminalidade no interior. Um deles é o crescimento desorganizado de algumas cidades, como avalia Bráulio Figueiredo, pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Outro é a falta de planejamento do poder público em relação à segurança.

O professor destaca um estudo, a título de exemplo, para mostrar o avanço da criminalidade no estado. Figueiredo usa, contudo, a capital e a região metropolitana (exceto BH) como espaço territorial dos seguintes dados: “Em 2003, Belo Horizonte respondeu por 65% dos crimes violentos em toda a Grande BH. Em 2015, esse percentual caiu para 58%”. Em outras palavras, a proporção dos crimes violentos na Grande BH, com a exclusão da capital, passou de 35% para 42%.

“Falta um planejamento de política de prevenção em segurança pública. Consequentemente, o estado, como um todo, tem atingido, cada vez mais, patamares elevados de crimes violentos. Além disso, a população do interior está crescendo em ritmo mais acelerado que BH. Muitas vezes, esse crescimento é de forma desorganizada”, reforça o pesquisador do Crisp.

Já a Sesp optou por fazer outra leitura dos próprios dados. A secretaria destacou que o roubo é o único dos nove crimes que se mantém em escala elevada no interior. Informou que “a alta considerada entre janeiro e novembro de 2015 e 2016 é de 18,11%”, e enfatizou que o aumento ocorre numa escala inferior à do início do ano passado, “quando estava na casa dos 28,3%”.

Em relação aos outros tipos de violência, a Sesp afirma que houve quedas, como foi o caso de estupro tentado de vulnerável, que recuou 36%. A Sesp solicitou ainda que a reportagem ouvisse a Polícia Militar e a Civil. Procurada, a PM informou que em cada região de Minas há uma estratégia no combate à violência. Já a Civil não esclareceu a demanda.

Dez pessoas são presas em operação contra o tráfico no Cabana

Além dos detidos, PM apreendeu quase R$ 100 mil em espécie