terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Trio é preso por assaltos a lojas em Ibirité: 'Não queria ter feito isso', diz preso


Três homens foram apresentados pela Polícia Civil na tarde desta segunda-feira como suspeitos de assaltos a estabelecimentos comerciais, como farmácias, casas lotéricas e lojas de roupa em Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Os detidos são Marcelo Jerônimo de Souza, de 26 anos, Marcos Vinícius Queiroz Barbosa Júnior, de 22, e Daniel da Cunha Vaz, de 21. Com eles, os policiais apreenderam uma motocicleta usada nos crimes, materiais recuperados dos roubos e um revóvler calibre 38.
O delegado José Luiz Quintão, da Delegacia de Ibirité, explicou a função de cada suspeito nos assaltos. "O Marcos, sendo o piloto da moto, era responsável pelo deslocamento e pela fuga. O Daniel era o garupa, que logo saía do veículo e já se dirigia aos estabelecimentos usando uma [arma] 38. Ele já anunciava o assalto e subtraía os valores. O Marcelo foi preso por disponibilizar a motocicleta usada nos roubos."
Marcos Vinícius, que já tem passagem pela polícia por tráfico de drogas, quer mais uma oportunidade. "Eu errei e peço desculpas para todo mundo, que me dê uma chance. Pode me dar cinco tornozeleiras, só me dá uma chance, por favor. [Foi] burrice, porque eu tenho um lava a jato, eu trabalho. Nem sei porque fiz isso. Se eu sair da linha, pode me condenar a 30 anos", pede.
Marcelo diz que gosta de trabalhar e que não quer isso para a vida. "Aquilo lá (cadeia) não é vida, não. Só cara pesado. Eu não sou nada. Imagina eu no meio lá. Se eu errei, nunca mais vou dar um mole desse. Eu quero viver, trabalhar, vou até para a igreja", promete.
Daniel afirma estar arrependido de cometer os crimes. "Eu não queria ter feito isso com a vítima, não. Jamais eu poderia ter apontado uma arma para a cabeça de uma pessoa. Eu nunca roubei na minha vida. Nunca mais vou fazer esse delito", destaca.

Deputado defende intervenção militar no Brasil

Para Cabo Daciolo (PTdoB-RJ), Congresso Nacional deveria ser extinto para Exército tomar o poder