sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Embalado por tema da vitória, Bolsonaro é tietado por PMs em BH

POLITICA . BELO HORIZONTE , MG

O deputado federal Jair Messias Bolsonaro participa da formatura de soldados da Policia Militar de Minas Gerais , em Belo Horizonte

Soldados cercaram o deputado, que deve se candidatar à presidência da República em 2018, e pediram fotos e até autógrafos; Bolsonaro ainda falou sobre a morte de Teori
Presente na solenidade de formatura de 1.018 soldados da Polícia Militar (PM) de Minas Gerais, na noite desta quinta-feira (19), no Mineirinho, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi ovacionado por militares na conclusão do ato, que teve como música de fundo o tema da vitória de Ayrton Senna.
Os soldados cercaram o deputado, que deve se candidatar à presidência da República em 2018, e pediram fotos e até autógrafos. "Se o político soubesse o quão é importante e recompensador um momento como esse não faria o que eles fazem normalmente. Estou rodando o Brasil há dois anos, e quero estar no tablado político em 2018, como sendo uma alternativa completamente diferente dos demais candidatos que estão aí", ponderou o deputado. 
Jair Bolsonaro também comentou sobre a morte do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF). Na tarde desta quinta, o avião que transportava o ministro e mais quatro pessoas caiu no mar em Paraty, no Rio de Janeiro. Zavascki era o relator da Operação Lava Jato no Supremo.

VEJA TAMBÉM

"Tudo pode acontecer com a morte do Teori. Você pode ver, de 11 ministros, o acidente foi exatamente com ele. É muita coincidência, muita coisa que acontece que, no meu entender, não é por acaso", afirmou.
Citando casos como o de Luiz Eduardo Magalhães, Celso Daniel e Eduardo Campos, Bolsonaro ainda sugeriu eventual participação da esquerda no acidente. "O PT no momento não está no poder, mas não saiu do poder", concluiu.
Ditadura Militar
Em entrevista à imprensa após a formatura, Bolsonaro ainda exaltou o período da ditadura militar no Brasil. "Vocês não sabem o que foi o 2 de abril de 64. Vocês continuam falando que houve golpe e ditadura militar. O dia que vocês quiserem conversar comigo sobre o que foi aquele período, vocês vão começar a entender o que é a esquerda no Brasil. A intenção deles é o poder absoluto", disparou. "Não queiram esperar ficar sem a Polícia Militar. A barbárie se fará presente".
Sobre a crise no sistema penitenciário brasileiro, Bolsonaro afirmou que está preocupado é com as "mortes de inocentes aqui fora". "Eles estão provando do próprio veneno dentro da prisão", afirmou. Questionado então sobre qual seria a melhor estratégia para lidar com a questão, o deputado foi categórico: "Deixe-se matar".