domingo, 29 de janeiro de 2017

Câmara de Capelinha proíbe utilização de celular e internet durante as sessões

Resultado de imagem para proibido celular
Os vereadores de Capelinha, na região do Vale do Jequitinhonha, estão proibidos de utilizar celular e internet nas reuniões plenárias do Legislativo. O objetivo da medida é para os parlamentares se concentrarem nas discussões de projetos. O requerimento, de autoria do vereador Lé Neves (PSDB), foi aprovado na primeira reunião ordinária do ano da Casa – realizada na última quarta-feira –, por 6 votos a 5. O município possui 13 parlamentares.


Em seu primeiro mandato, Lé Neves diz que resolveu apresentar a proposta dessa restrição porque, antes de ser eleito, quando acompanhava as reuniões plenárias como cidadão, percebia que os vereadores ficavam conectados nas redes sociais durante as discussões de projetos. “Como cidadão, me sentia desrespeitado, porque muitos dos vereadores não estavam concentrados no que estava sendo discutido, votado. Ao ganhar a eleição, eu sabia que essa era a primeira providência que ia tomar, porque nós somos funcionários do povo e precisamos prestar atenção na reunião”, diz ele, que lida com o “problema do mau uso do celular” em sala de aula, já que é professor.

O parlamentar, no entanto, salienta que não é uma proibição geral. “Se o vereador precisar receber um telefonema, é só se levantar da mesa e ir para o fundo da sala. E alguns vereadores que votaram contra disseram que às vezes precisam fazer pesquisas na internet sobre projeto, mas o projeto antes de ir a plenário passa nas comissões, então quando chega ao plenário já foram feitas todas as pesquisas. Mas se o vereador precisar pesquisar é só levantar da mesa também ou pedir ajuda dos assessores jurídicos que ficam no plenário”, afirmou Lé Neves.

O autor do projeto quer que agora o requerimento aprovado em turno único faça parte do regimento interno da Casa. Os vereadores de Capelinha se reúnem duas vezes por mês para realizarem reuniões plenárias, que se destinam a discutir e votar proposições de interesse da cidade. Uma terceira sessão pode ocorrer se ela for solicitada.

O requerimento foi aprovado por um placar apertado. Além do autor Lé Neves, votaram a favor da proposta Cí da Farmácia (PTB), Wilson Coelho (PSDB), João do Maracujá (PMDB), João de Dodo (DEM) e Lú do Piedade (PMN).

Já os que não quiseram ficar desconectados foram Cleuber Luiz (PSC), Avenir do Hospital (PSB), Santo Capeta (PSL), Gilmar Santos (PTC) e Cí Mecânico (PHS). O vereador Tozão (PMDB) se absteve. O presidente da Casa, Gedalvo Fernandes (PMDB), só vota em caso de empate. (Fransciny Alves)
Aparte

Governo de MG diz que 88% dos servidores receberam duas parcelas do salário

Em nota, a Secretaria de Estado de Fazenda informou que o estado trabalha para pagar os últimos 12% 'o quanto antes'