terça-feira, 8 de novembro de 2016

Policial militar que matou três ladrões em São Paulo vai responder por dirigir Uber

Resultado de imagem para absurdo
A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo informou que, conforme a Lei Disciplinar da Polícia Militar, agentes não podem exercer outra atividade remunerada, como ser motorista de Uber, por exemplo. Por isso, o PM que matou três suspeitos após sofrer uma tentativa de assalto na zona leste de São Paulo, no sábado, terá a conduta apurada pela Corregedoria, por meio de processo disciplinar.

Indagado ontem sobre o caso, o secretário da Segurança, Mágino Alves, afirmou que o policial militar agiu em "legítima defesa". Ele estava de folga e trabalhava como motorista do Uber no momento do crime. O caso aconteceu na Rua Tilburis, em Cidade Líder, por volta das 18 horas.
Imagens de câmeras de segurança mostram um assaltante saindo do carro. Ele veste um capuz e aborda o policial, sentado no banco do motorista. Na sequência, o PM reage, desce do carro com a arma na mão e o criminoso sai correndo. Depois, ele é perseguido e baleado pelo agente.
No tumulto, outros dois suspeitos abrem a porta para tentar sair mas um deles é baleado e fica deitado na calçada. O terceiro corre e também é perseguido. Na volta, o PM chuta a cabeça do rapaz que ficou caído.
"Para quem assiste a gravação fica nítido que ele agiu realmente em legitima defesa", afirma o secretário Mágino Alves. "Ele estava sendo vítima de um roubo (praticado) por três elementos. A ação dele se defendendo foi filmada."
Excesso
O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo Mágino, "um eventual excesso do policial na ação vai ser apurado dentro do processo", diz.

Tornozeleira eletrônica chega ao interior de Minas após cinco anos

Pena alternativa foi expandida para o interior, começando por um detento de Juiz de Fora