quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Estudante é ferida no olho e fotógrafos são presos em protesto

Deborah Fabri

Deborah Fabri passou por exames em uma clínica particular e informou que perdeu a visão do olho esquerdo

A mineira Deborah Fabri perdeu a visão do olho esquerdo depois de ter sido atingida em um protesto contra o governo Michel Temer, na noite desta quarta-feira (31), em São Paulo. Pelo Facebook ela publicou uma mensagem onde fala do ferimento.  "Oi pessoal estou saindo do hospital agora. Sofri uma lesão e perdi a visão do olho esquerdo mas estou bem. Obrigada pelas mensagens e apoio logo logo respondo todos!"
Nascida em Governador Valadares, Deborah Fabri participava do ato, chamado por movimentos sociais, contra o presidente Michel Temer, no centro da capital paulista. Ferida, recebeu os primeiros socorros na unidade ambulatorial da PUC e foi levada para o Hospital das Clínicas, onde foi submetida a exames. De acordo com a assessoria do hospital ela deixou o local antes de receber o diagnóstico.
Pelo Facebook, o grupo Jornalistas Livres descreveu o ocorrido. Segundo eles, o ferimento ocorreu na esquina da rua Caio Prado, com rua da Consolaçã  e foi provocado pelo estilhaço de uma bomba, que quebrou a lente dos óculos da estudante. Ela foi socorrida por amigos e manifestantes e relatou que sentia pedaços de vidro dentro do globo ocular. "Ao nos aproximarmos, ela dizia: 'perdi meu olho, meu olho não está aqui'", relatou o coletivo.
Uma reportagem da Agência Brasil informou que  Fabri é aluna da Universidade Federal do ABC e  integra o movimento Levante Popular da Juventude. Ainda segundo a agência, ela passou por exames na manhã desta quinta-feira em uma clínica particular e informou.
A matéria também trás a declaração da militante do Levante Juventude Laryssa Campaio, que relatou que cinco pessoas foram atingidas por balas de borracha ou estilhaços de bombas de gás. “Foi fora do normal, uma espécie de estado de sítio”, relatou.
Durante o protestos, os fotógrafos Willian Oliveira e Vinicius Gomes foram detidos. Vinícius afirma que teve seu equipamento destruído pelos militares. Os dois foram liberados na manhã desta quinta-feira.
A Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo  informou não ter informações sobre a jovem atingida no olho. A pasta também não informou à Agência Brasil o motivo das prisões, nem se pronunciou sobre os dados ao equipamento de Vinicius.
Em nota, a Secretaria afirma que a repressão teve início quando um grupo de manifestantes incendiou montes de lixo e lançou pedras contra os policiais. Deixando um policial ferido. 

Governo de Minas admite que ainda não tem dinheiro para pagar o 13º dos servidores neste ano

Em entrevista exclusiva à Rádio Itatiaia, o secretário de Planejamento de Minas Gerais, Helvécio Magalhães, afirmou que a prioridade do go...