terça-feira, 30 de agosto de 2016

Complexo penitenciário em Juiz de Fora terá anexo para mais mulheres

Complexo Penitenciário e Ceresp receberam escâneres corporais em Juiz de Fora (Foto: Gil Leonardi/Divulgação)

Obra, orçada em R$ 700 mil, ampliará número de vagas para 220 detentas.
Unidades ganharam scanners corporais para vistoria de visitantes.

O Complexo Penitenciário de Juiz de Fora terá um anexo para mulheres com 220 vagas. O atual pavilhão foi projetado para receber 34 presas. O projeto foi apresentado em evento na última sexta-feira (26), quando também foram inaugurados os scanners corporais nas unidades do complexo no Bairro Linhares, que engloba as penitenciárias Edson Cavalieri e Ariosvaldo Campos Pires e o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp).
No mesmo evento, foram empossados os novos diretores da Penitenciária José Edson Cavalieri, Marcos Adriano Francisco, e da Penitenciária Professor Ariosvaldo Campos Pires, Giuliano de Paula.
De acordo com a assessoria do Governo de Minas, o custo da obra será de cerca de R$ 700 mil. Já estão disponíveis R$ 400 mil, originários de penas de prestação pecuniária decorrentes de transações penais e sentenças condenatórias da Vara de Execução Penal (VEP).
O projeto de engenharia do empreendimento foi apresentado pelo juiz da VEP da comarca, Evaldo Gavazza, ao subsecretário de Administração Prisional, José Otávio Cançado Monteiro. Segundo a assessoria da Seds, isso marca o início da tramitação administrativa para a realização da obra.

Segundo o juiz, o valor inicial será suficiente para realizar a fundação e as estruturas do novo pavilhão. Ele lembrou que a média anual de recursos das penas de prestação pecuniária arrecadados pela VEP é superior a R$ 500 mil, o que oferece condições de concluir a obra sem percalços financeiros.

Complexo Penitenciário e Ceresp receberam escâneres corporais em Juiz de Fora (Foto: Gil Leonardi/Divulgação)Sistema de escâneres corporais elimina a chamada 'revista vexatória' dos visitantes, destacaram Seds e Justiça (Foto: Gil Leonardi/Divulgação)
Mudança na vistoria dos visitantes
O Complexo Penitenciário e o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) receberam scanners corporais. O sistema elimina a chamada "revista vexatória" de visitantes, dos próprios presos, de servidores e de prestadores de serviço e, segundo a administração, tem a vantagem da eficácia na detecção de armas e drogas. 

Os equipamentos, que também incluem um conjunto de esteira e pórtico de raios-X para o Fórum de Juiz de Fora, foram alugados a custo mensal de R$ 24 mil. O primeiro ano de uso, orçado em R$ 288 mil, já foi quitado a partir de recursos arrecadados nas penas de prestação pecuniária. Segundo a assessoria, o contrato de locação assegura a manutenção dos scanners.

Bandidos em fuga batem em moto, matam dois e capotam na MG-040

Os assaltantes fugiram para uma mata após o acidente, sendo que um deles já foi detido pela PM e o outro segue sendo procurado