sexta-feira, 1 de julho de 2016

Grupo que vendia cartões de crédito falsificados é preso na praça Sete

Imagem Ilustrativa

Suspeitos negam crime, mas eles foram flagrados pelas câmeras do Olho Vivo

Um grupo foi preso na praça Sete, no Centro em Belo Horizonte, na noite dessa quinta-feira (1º), após ser flagrado, pelas câmeras do Olho Vido da Polícia Militar, vendendo no local cartões de crédito falsificados. 

O crime foi descoberto pela Polícia Militar (PM) depois que as imagens das câmeras do Olho Vivo flagraram pessoas anunciando o serviço de fotografia 3x4 no local. Os suspeitos agiam sempre da mesma forma, segundo a polícia, quando alguém se aproximava para contratar o serviço de fotografia, os suspeitos anunciavam a venda de cartões de créditos.
Após aceitar a proposta, os vendedores levavam os supostos compradores até um prédio,  próximo as ruas da Bahia e dos Goitacazes, onde negociavam a compra dos cartões.

Segundo consta no boletim de ocorrência, os suspeitos passavam os cartões com nomes de outras pessoas para os compradores e recebiam por isso. Eles eram advertidos de que após realizaras compras, era necessário retornar para que elas fossem sustadas.
Depois de tudo acordado, os suspeitos seguiam até uma kombi, onde os cartões eram passados para os compradores.
Durante uma dessas negociações, a polícia conseguiu prender três homens e três mulheres, todos com idade entre 23 e 33 anos. Ao todo, 12 cartões falsificados, uma kombi, e um veículo Fiat foram apreendido. 
Aos militares, os envolvidos negaram o crime. Mas a polícia identificou os suspeitos pelas imagens do Olho Vivo. Os suspeitos foram presos e encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil.
Se ficar provado a autoria dos seis detidos no crime, eles irão responder por estelionato. A pena para esse tipo de crime varia entre um ano a cinco anos de reclusão, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis.

Comerciante flagra furto e passa coordenadas para PM pelo WhatsApp

O homem estava em um grupo da Rede de Comerciantes Protegidos, que conta com donos de lojas e policiais do 1º batalhão