terça-feira, 21 de junho de 2016

Perrella volta a se defender no caso do helicóptero com cocaína: 'Foi um incidente'


'Vejo isso com uma tranquilidade tão grande', diz Perrella (Divulgação PF)
Quase três anos depois de ter o helicóptero da empresa da família apreendido com quase meia tonelada de pasta base de cocaína, o senador Zezé Perrella (PDT) ainda é questionado sobre a polêmica. O caso voltou a ser lembrado na semana passada após seu filho, o ex-deputado estadual Gustavo Perrella, ser nomeado para um cargo no Ministério dos Esportes do governo Temer.

O piloto do helicóptero era funcionário do gabinete de Gustavo Perrella na Assembleia de Minas. Além disso, o então deputado mineiro utilizou R$ 14 mil de sua verba indenizatória para abastecer a aeronave, que foi devolvida à empresa da família Perrella por decisão da Justiça Federal, em agosto de 2014.
Gustavo Perrella chegou a ser investigado pela Polícia Federal, que concluiu que ele não teve envolvimento com o tráfico de drogas. Em entrevista à Itatiaia, Zezé Perrella disse que ficou provado que o piloto agiu sem o conhecido da família.
“As pessoas são muito maldosas, né! Vejo isso com uma tranquilidade tão grande… tenho testemunho do delegado da Polícia Federal, o piloto que trabalhava para gente estava grampeado. E nos grampos ele fala textualmente que nós não sabemos. Inclusive ele disse que tinha de esperar a gente viajar para o helicóptero ficar liberado”, defendeu o senador. “Nós não constamos sequer como testemunhas nesse episódio”, reforça.
Apesar das investigações confirmarem as alegações do senador, várias pessoas ligam o episódio à família Perrella, especialmente pelas redes sociais. Sobre essa situação, enxerga maldade das pessoas. “Foi um incidente. É como se fosse dono de uma transportadora, de uma linha de ônibus e alguém qualquer colocasse droga na linha de ônibus. O dono da empresa não tem, absolutamente, nada a ver com isso”, exemplificou.
No final da entrevista, Zezé Perrella mandou um recado para as pessoas que insistem em acusá-lo e desviou o assunto para a política, com críticas ao Partido dos Trabalhadores.
"Além do depoimento do testemunho do próprio piloto que nos isenta de tudo, tem as gravações que nos isenta de tudo. Eles estavam grampeados, graças a Deus. Então, para as pessoas maldosas que querem me ver envolvido nisso respondo o seguinte: vocês nunca vão me ver em Lava Jato, vocês nunca vão me ver em mensalão, porque não sou dessa laia do PT e não sou ladrão", concluiu. 

Comerciante flagra furto e passa coordenadas para PM pelo WhatsApp

O homem estava em um grupo da Rede de Comerciantes Protegidos, que conta com donos de lojas e policiais do 1º batalhão