quarta-feira, 13 de abril de 2016

Maioria do Senado se diz a favor do afastamento de Dilma. “Estarei preparado”, afirma TemerPMDB estima 380 votos pró-impeachment na Câmara. Veja resumão

Resumão em notas e tuitadas:
– PMDB estima ter 38o votos na Câmara a favor da admissibilidade do processo de impeachment. São necessários 342. Vitória é dada como irreversível.
– PP, PRB e parte do PR desembarcaram. PSD tem 26 pró-impeachment e 9 contra. Governo e oposição brigam por PDT, PSB e ala mortadela do PMDB.
– Estadão: “Maioria do Senado já se declara a favor do afastamento” de Dilma: 42 a 17, com 22 indefinidos. Impossível barrar o processo, querida.
– No Senado, basta maioria simples (41) para instaurar processo, ao que Dilma é afastada por 180 dias. Para enxotá-la de vez, são necessários 2/3 (54).
– Em clima de festa, Michel Temer recebeu o “beija-mão” de cerca de 70 parlamentares no Palácio do Jaburu na terça-feira (12). “Hoje, o Jaburu virou o Planalto”, resumiu o deputado Sandro Alex (PSD-PR). Um dia, o Planalto de hoje ainda vira Papuda.
– Michel Temer disse à Globonews que “estarei preparado” para assumir governo em caso de impeachment; que convocação de eleições gerais neste momento é “ruptura constitucional”; e que a palavra golpe tem sido utilizada de forma indevida ultimamente. Só fatos.
– Temer sobre rótulo de golpista: “Passei praticamente três semanas em São Paulo precisamente para que não me acusassem de nenhuma articulação. No Parlamento começou uma guerra contra minha figura. Então, fui obrigado a me defender. O que faço hoje não é guerrear, é me defender.” Faz bem.
– Temer sobre hipótese de impeachment não passar (toc-toc-toc): “Ao longo desse período em que fui vice-presidente nunca tive um chamamento efetivo para participar das questões do governo, de modo que se nada acontecer tudo continuará como dantes”. Ela finge que governa; ele, que está no governo.
– A diferença mais evidente entre Temer e Dilma é que o vice-presidente sabe formular frases e expressar raciocínios do início ao fim. Não é pouca coisa.
– Caberá a Rosa Weber analisar recurso de Eduardo Cunha contra decisão de Marco Aurélio Mello de mandar abrir processo de impeachment contra Temer também. Pode copiar a aula de democracia de Celso de Mello ao ministro 247, Rosa.
– Folha: Dilma “ficou indignada” com notícias de que ela e Gim Argello, preso pela Lava Jato, eram amigos. “Sabe quem ele apoiou em 2014? O Aécio!”
– Dilma queria Gim no TCU, liberou-lhe milhões de reais e aparece com ele até passeando com cão, mas vazou à Folha que Gim apoiou Aécio. Patética.
Brasília, 29/04/2009 - Foto: Adriano Machado Dilma Rousseff - Ministra-Chefe da Casa Civil durante caminhada matinal próximo a sua residência na Península dos Ministros no Lago Sul em Brasília.
Brasília, 29/04/2009 - Foto: Adriano Machado Dilma Rousseff - Ministra-Chefe da Casa Civil fala com o Senador Gim Argelo durante caminhada matinal próximo a sua residência na Península dos Ministros no Lago Sul em Brasília.Brasília, 29/04/2009 – Fotos de Adriano Machado
– Dilma declarou ao TSE em 2014 que guarda R$ 152 mil em espécie. Gim declarou à Justiça Eleitoral no mesmo ano que guarda R$ 800 mil. Legenda para a primeira foto acima: “Você tem de enfiar maços deste tamanho no fundo do colchão, querida”.
– Por falar em aparecer, Dilma apareceu na terça ao lado de Aloizio Mercadante, ministro da Educação(!) que tentou comprar silêncio de Delcídio. Só fera.
Mercadante Dilma
– Como disse Romero Jucá (PMDB-RR) sobre ataques de Dilma a Temer: “Lamento que a presidente Dilma esteja perdendo o equilíbrio, colocando culpa em outras pessoas pelos erros do governo.” Erros e crimes.
– Para Jucá, Dilma apela a “enredo já ultrapassado: porque falar em golpe é o que falou o presidente Fernando Collor há muitos anos. Esse é um enredo batido, copiado e que não deu certo. Era melhor que a presidente tivesse um pouco mais de equilíbrio e análise das suas próprias limitações.” Impossível.
– Aloizio Mercadante, o comprador de silêncio, apareceu
– Prisão de Gim e debandada da base mostraram a Renan Calheiros que seu fim está próximo. Atrasar afastamento de Dilma com dúvidas ao STF seria manobra de desespero.
– Como disse o ministro Luiz Fachin: STF já se manifestou sobre impeachment em dezembro e deve evitar interferir no processo. Já interferiu até demais.
– Se não fosse a interferência de Luís Roberto “Minha Posição” Barroso, vitória da oposição na comissão do impeachment teria sido com mais de 50 votos.
– Sobre Renan enrolar no Senado para dar tempo ao PT de comprar senadores, Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) comentou: “Não creio que tenha coragem!”
– São de Lima, também, três das melhores declarações da semana, a terceira delas ironizando a Carta ao Povo Brasileiro, de Lula, em 2002:
1) “Crime de responsabilidade sem impeachment é golpe”;
2) “Não nos envergonha o áudio do Michel [Temer]. Ao contrário, nos orgulha. Já o áudio de Dilma e de Lula o governo tenta esconder”;
3) “Michel modernizou: mandou um whats aos brasileiros”.
– Folha: No Senado relatoria do impeachment deve ser confiada a Eunício de Oliveira (PMDB-CE). “Renan promete não atrapalhar” tramitação. Amém.
– PT quer monopólio da “defesa da democracia” que tentou destruir com sucessivas compras de parlamentares em mensalão, petrolão, bolsa-deputado.
– Oposição tem de desmascarar em peças publicitárias propaganda do PT em nome da “democracia”, apontando como organização criminosa a fraudou.
– Vencer narrativa do PT é tão ou mais importante que conseguir impeachment de Dilma. Não se pode deixar que a primeira sobreviva à segunda.
– Oposição venezuelana entrega documentos para referendo de revogação do mandato de Nicolás Maduro. Vem com a gente, Venezuela. Fora Foro!
– Trabalhar pelo melhor preparando-se para o pior é melhor que não trabalhar achando que não dá em nada ou esperando que tudo lhe caia do céu.

PM apreende quase 60 celulares de origem duvidosa em shopping popular de BH

Quase 60 celulares de origem duvidosa foram apreendidos por policiais militares em box no shopping Xavantes, no Centro de Belo Horizonte,...