quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Ato terrorista em sede de jornal polêmico deixa 12 mortos em Paris

Ataque à revista Charles Hedbo
Ataque à revista Charlie Hebdo
Ataque a revista Charlie Hebdo
Disparos contra sede de revista deixa vítimas em Paris

Satírico "Charlie Hebdo" foi alvo de ataque na manhã desta quarta-feira (7); publicação é famosa por charges polêmicas sobre o profeta Maomé eo mundo islâmico; presidente frânces convocou reunião de emergência

Doze pessoas, entre elas dois policiais, morreram nesta quarta-feira (7) em um ataque com fuzis de assalto e lança-foguetes contra a sede do jornal satírico "Charlie Hebdo", localizada em Paris. Segundo o portal francês "Le Point", o editor da publicação, Charb, está entre os mortos.

"É um atentado terrorista, não há dúvida", disse o presidente francês, François Hollande, que se dirigiu à sede da revista. "Há onze pessoas mortas" (por volta das 10h de Brasília) e quatro feridos "em situação de urgência absoluta", disse. O presidente convocou uma reunião de crise no palácio presidencial para as 11h (de Brasília). As autoridades também anunciaram que a região parisiense foi colocada em estado de alerta máximo.
Os homens que efetuaram os disparos gritaram "Vingamos o Profeta" e "Alá é o maior", de acordo com informações da polícia francesa. Em vídeo publicado por um jornalista francês que trabalha em um prédio próximo ao local do ataque, é possível ouvir tiros e gritos.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, reagiu condenando este ataque terrorista revoltante, e expressou solidariedade com a França na luta contra o terrorismo.
"Os assassinatos em Paris são revoltantes. Estamos ao lado do povo francês na luta contra o terrorismo e na defesa da liberdade de imprensa", declarou Cameron em sua conta no Twitter. O site da revista está inacessível neste momento.
Histórico 
Sempre polêmica, a revista gerou uma grave crise, em 2012, quando publicou charges do profeta Maomé. Na época, autoridades francesas chegaram a enviar a polícia para proteger os escritórios da publicação e fechou embaixadas, escolas e consulados em cerca de 20 países durante um dia de orações no mundo árabe. No ano anterior, após publicar outra charge polêmica sobre o mundo muçulmano, a sede da revista foi atacada e seus editores passaram a viver sob proteção policial.
Para o Islã, qualquer representação de Maomé é considerada um pecado. Em 2005, caricaturas dinamarquesas do profeta provocaram uma onda de protestos violentos em todo o mundo muçulmano, matando pelo menos 50 pessoas.
Nova polêmica
 
Por volta das 9h (horário de Brasília) - ou seja, depois do atentado -, foi publicada no Twitter da "Charlie Hebdo"  uma imagem de Al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico. O texto diz "Os desejo de Al-Baghdadi... principalmente saúde". A foto vem acompanhada da legenda "Muitas felicidades, de fato". 
Repercussão
Jornalistas e populares foram às redes sociais para contar sobre o que viram e estão acompanhando após o atentado.
Uma foto mostra uma viatura da polícia que foi atingida por tiros. Dois policiais morreram.


Outra publicação, feita por volta das 10h15 (de Brasília), mostra a concentração de jornalistas e curiosos nas proximidades do prédio.



Atualizada às 10h57

Dez pessoas são presas durante operação de combate à criminalidade no Vale do Mucuri

Pelo menos dez pessoas foram presas, nesta sexta-feira (17), durante operação de combate à criminalidade no município de Malacacheta, no V...